Plano de saúde empresarial: entenda por que os custos estão aumentando e como reduzi-los

Por 22 de novembro de 2017Saúde ocupacional
Plano de saúde empresarial

O que é um benefício essencial e indispensável para o funcionário, muitas vezes pode significar um alto custo para a empresa. O subsídio de assistência médica para colaboradores e dependentes tem deixado as empresas em uma situação difícil — os custos com plano de saúde empresarial não param de subir.

No entanto, ainda que seja praticamente inviável arcar com valores tão expressivos, esse é um benefício bastante valorizado, capaz de atrair e reter muitos talentos para a empresa.

Por essa razão, é fundamental que os gestores encontrem um ponto de equilíbrio para conciliar a promoção da saúde e a satisfação profissional com os custos envolvidos para isso.

Pensando nisso, elegemos neste texto informações importantes para que você entenda por que os custos com plano de saúde empresarial estão aumentando e como você pode administrar e até reduzir essas despesas. Vamos conferir?

Por que os custos estão aumentando?

O reajuste do plano de saúde empresarial é um acordo estabelecido diretamente entre a operadora e a empresa contratante. O valor sofre alterações tendo como base a utilização dos serviços pelos colaboradores, ou seja, quanto mais os funcionários utilizam o benefício, mais o preço sobe. É o que chamamos de sinistralidade dos planos de saúde.

Além disso, a inflação dos serviços médicos se mantém acima da inflação média, o que faz com que os custos com saúde cresçam de forma expressiva, sobrecarregando o orçamento empresarial.

Basicamente, a expectativa de vida dos brasileiros tem aumentado e, com isso, os seus gastos com saúde também. Sob esse aspecto, quanto mais pessoas estiverem no mercado de trabalho, maior a utilização de planos empresariais, portanto, para as operadoras dos planos, essa é uma oportunidade e tanto de gerar resultados.

Não obstante, outro fator de forte influência é o método utilizado para remunerar os profissionais de saúde, que recebem por atendimento. Essa prática acaba induzindo uma cultura de vários procedimentos médicos, sendo muitos deles desnecessários.

Frente a todas essas situações, é preciso buscar formas de viabilizar a oferta deste benefício sem que isso signifique um impacto financeiro para a empresa.

Confira as principais medidas para diminuir as despesas com plano de saúde empresarial no item a seguir.

Como reduzir os custos do plano de saúde empresarial?

É essencial que, apesar de reduzir os custos, a qualidade dos serviços seja mantida. Afinal, trata-se da satisfação e do desempenho dos colaboradores. Portanto, existem algumas opções para quem deseja reduzir os custos com o plano de saúde empresarial.

Invista e incentive a prevenção

Ter bons hábitos, como a prática de atividades e uma alimentação balanceada, é o primeiro passo para se obter qualidade de vida e bons indicadores de saúde. Consequentemente, é possível reduzir a necessidade de atendimentos médicos.

Um estilo de vida inadequado pode gerar inúmeras indisposições físicas e mentais, problemas que impactam no desempenho do colaborador e também nos custos dos planos de saúde.

É preciso fomentar uma mudança de comportamento, investindo em medidas para propagar a saúde. Assim, é possível reduzir o estresse, diminuir a incidência de doenças crônicas e proporcionar bem-estar. Para isso, podem ser desenvolvidos os mais diversos programas, de acordo com o perfil da empresa e de seus colaboradores. Podemos citar alguns exemplos como:

A prevenção de doenças e a manutenção da saúde, além de reduzirem os gastos com médicos e planos de saúde, ainda contribuem para a satisfação e motivação dos colaboradores no ambiente empresarial.

Negocie com a operadora

Existem muitos detalhes que precisam ser discutidos no momento da contratação do plano, tal como as consultas, os procedimentos e a modalidade de pagamento dos exames. Por isso, é importante que cada fator seja detalhado e descrito conforme combinado com a operadora.

Havendo a necessidade, é possível personalizar os modelos de plano ou escolher algum disponível que atenda as necessidades básicas dos colaboradores, sem perder a qualidade do serviço.

Se o número de colaboradores for significativo, é possível conseguir concessões e chegar a contratos mais vantajosos, além de flexibilizar os planos de acordo com a necessidade de cada grupo de trabalhadores, seja pela mesma operadora ou por operadoras diferentes.

Considere a coparticipação

Dividir o custo do plano de saúde empresarial com o colaborador também pode ser uma opção vantajosa, já que auxilia a manter a qualidade do plano e não torna tão oneroso para ambas as partes.

Apesar de não resolver as questões do orçamento por completo, essa alternativa permite aliviar as finanças da empresa sem gerar insatisfação entre os profissionais.

Além disso, serve como uma medida educativa para estimular o uso consciente do plano de saúde, inibindo os excessos de sua utilização.

Vários procedimentos podem estar inclusos na coparticipação entre os colaboradores e a empresa, tais como:

  • cirurgias;
  • consultas;
  • exames;
  • internações;
  • maternidade.

Realize a gestão das informações

É preciso buscar uma solução para reduzir os custos do plano de saúde empresarial que não impacte na equipe. Para isso, as necessidades reais dos colaboradores devem ser levadas em consideração.

Por isso, ainda que o custo seja um problema a ser resolvido, o enfoque da gestão deve estar em uma solução que esteja bem alinhada com a gestão de pessoas da empresa.

No entanto, isso só será possível se a gestão de pessoas dedicar-se a entender as necessidades de seus colaboradores, coletando informações detalhadas. É preciso conhecer os dados existentes sobre a utilização do plano, com que frequência ele é utilizado e para quais especialidades.

A partir disso é possível desenvolver soluções para os grupos de risco e selecionar os programas de prevenção, o que fará toda diferença na gestão de custos dos planos de saúde.

Para facilitar essa tarefa, já existem ferramentas capazes de analisar as informações e encontrar padrões capazes de gerar projeções de comportamentos.

Nesse sentido, é imprescindível que a gestão de pessoas esteja munida de informações relevantes, que auxiliem na obtenção de mudança de comportamento dos colaboradores e que tornem as condições de saúde efetivas para todos os envolvidos.

Portanto, um plano de saúde empresarial de qualidade e com custo menor, deve estar acompanhado de boas práticas exercidas pelos colaboradores. Logo, gestão e execução andarão juntas, para benefício de todos, possibilitando diagnósticos precisos, úteis e eficazes.

Se você gostou deste conteúdo, não deixe de nos seguir nas redes sociais e ficar por dentro de todas as nossas postagens!

Gostou do artigo? Leia também:

Comentários

Comentários