Blog da Beecorp

Saúde Ocupacional

O custo dos fatores de risco psicossociais

O estresse relacionado ao trabalho, um dos principais fatores de risco psicossociais, é uma das principais causas da perda de produtividade e erro humano. Isso significa aumento de absenteísmo por doença, alta rotatividade e aumento dos casos de acidentes e doenças ocupacionais.

Conhecer o problema é o primeiro passo para gerenciá-lo de forma sensível, inteligente e sempre visando minimizar o impacto do estresse relacionado ao trabalho na empresa e em seus funcionários. O processo é de ganha-ganha: a empresa com um melhor desempenho e os funcionários com mais saúde e bem-estar. Vamos conhecer melhor os fatores de risco psicossociais e os seus custos.


O cenário nas empresas

Dentre alguns estudos e números sobre o tema, destacamos alguns dados que chamam a atenção, em especial no Reino Unido:

  • Cerca de 1 em cada 7 pessoas dizem que acham seu trabalho muito ou extremamente estressante.
  • Em 2005/2006, pouco menos de meio milhão de pessoas na Grã-Bretanha relataram que enfrentavam estresse relacionado ao trabalho em um nível que acreditavam adoecê-los.
  • A depressão e a ansiedade são as queixas mais comuns relacionadas ao estresse, afetando 20% da população trabalhadora do Reino Unido.
  • Quando o estresse leva ao absenteísmo, o tempo médio de licença por doença é de 30,1 dias. É muito maior do que a duração média da licença por doença relacionada ao trabalho, que é em geral de 21,2 dias.
  • Um total de quase 11 milhões de dias úteis foram perdidos no estresse, depressão e ansiedade em 2005/2006.
  • Um estudo austríaco revelou que 42% dos trabalhadores administrativos (chamados de white collar) que se aposentam precocemente o fazem por causa de problemas psicossociais relacionados ao trabalho.
  • No Reino Unido, em 2011 e 2012, o estresse relacionado ao trabalho levou à perda de 10,4 milhões de dias de trabalho, com tempo médio de afastamento de 24 dias. Outros estudos mostraram que entre os funcionários que afirmaram “sempre trabalhar sob pressão”, a taxa de acidentes é cerca de cinco vezes maior que a dos funcionários que afirmaram “nunca trabalhar sob pressão”.

O impacto financeiro dos fatores de risco psicossociais

Para os indivíduos, os custos incluem perdas financeiras e despesas adicionais, tais como pagamentos de consultas médicas, medicamentos e tratamento hospitalar.

Já para as empresas, esses custos incluem custos de absenteísmo por doença, substituição de funcionários e rotatividade, aposentadoria precoce, compensação e indenização, danos ao equipamento e à produção resultante de acidentes e erros, redução de desempenho e produtividade, comprometimento da imagem pública e da reputação da empresa.

E para a sociedade, por sua vez, esses custos incluem consultas médicas, medicamentos, hospitalizações, tratamentos ou reabilitações que são financiados pelo Estado, bem como custos relacionados a aposentadoria precoce ou absenteísmo por doença. Todos perdem.

Uma pesquisa financiada pela União Europeia estimou o custo da depressão relacionada ao trabalho em EUR 617 bilhões/ano. O total era composto de custos decorrentes de absenteísmo e presenteísmo (EUR 272 bilhões), perda de produtividade (EUR 242 bilhões), custos de saúde (EUR 63 bilhões) e custos de bem-estar social, na forma de pagamentos de benefícios de invalidez (EUR 39 bilhões).

A pesquisa analisou também o custo-efetividade de alguns programas com intervenções para depressão. Os resultados mostraram que para cada EUR 1,00 investido, pode-se gerar benefícios econômicos líquidos de até EUR 13,62/ ano.

No Brasil, dados do Ministério da Previdência Social mostram que a Previdência Social pagou em benefício auxílio-doença, no período de 2000 a 2011, um total 14,4 bilhões de reais e que 12% dos benefícios auxílio-doença foram provenientes das relações de emprego.

Os afastamentos

Outro dado da Previdência Social que chama a atenção é a causa dos afastamentos que se deslocou de doenças infecciosas e traumas para doenças crônicas não transmissíveis. Estima-se que a depressão e outros transtornos ansiosos estão entre as quatro causas mais frequentes de afastamento do trabalho, sendo que no ano de 2013 só a depressão foi responsável por 61.044 dos casos.

As principais causas de afastamento previdenciário são:

  • Episódios Depressivos;
  • Outros Transtornos Ansiosos;
  • Transtornos Mentais e Comportamentais Devidos ao Uso de Múltiplas Drogas e ao Uso de Outras Substâncias Psicoativas;
  • Transtorno Depressivo Recorrente;
  • Transtorno Afetivo Bipolar;
  • Transtornos Mentais e Comportamentais Devidos ao Uso de Álcool;
  • Reações ao Stress Grave e Transtornos de Adaptação;
  • Transtornos Mentais e Comportamentais Devidos ao Uso da Cocaína;
  • Esquizofrenia;
  • Psicose Não-Orgânica não Especificada.

Nota-se a presença de quatro grupos de transtornos entre os mais frequentes: os de humor, os ansiosos, os de uso de substâncias e os psicóticos.

Considerando a Classificação Internacional de Doenças (CID), no período de 2000 a 2011, vinte CID´s foram responsáveis por 50,17% de todos os benefícios auxílio-doença. As doenças dos grupos M (doenças do sistema osteomuscular e do tecido conjuntivo) e F (transtornos mentais e do comportamento) somaram 20,76% de todos os afastamentos, superando aquelas dos grupos S (lesões, envenenamento e algumas outras consequências de causas externas) e T (traumatismos envolvendo múltiplas regiões do corpo) que somaram 19,43% do total. As doenças dos grupos M, F, S e T respondem por 40,25% de todo o universo previdenciário.

Por fim, o impacto do estresse. Temos inúmeras evidencias científicas que períodos prolongados de estresse, incluindo o estresse relacionado ao trabalho, têm um efeito adverso na saúde. As pesquisas revelam que há fortes ligações entre o estresse e efeitos físicos como doença cardíaca, dor nas costas, dores de cabeça, distúrbios gastrointestinais, entre outras e efeitos psicológicos como ansiedade e depressão, perda de concentração e dificuldade para tomada de decisão.

O estresse também pode levar a outros comportamentos com efeito adverso na saúde e no bem-estar psicológico e físico, por exemplo, isolamento social, comportamento agressivo, abuso de álcool e/ou outras drogas e distúrbios alimentares.

Ainda que o trabalho não seja a única causa, é importante reforçar seu papel de manutenção e promoção da saúde mental, um espaço de aberturas para informar e orientar os trabalhadores a respeito não só dos riscos psicossociais do trabalho como também da saúde mental, promovendo assim o bem-estar dentro do trabalho.

Invista na promoção da saúde e do bem-estar.

Artigo escrito por Eduardo Arantes, Diretor Técnico da BeeCorp.

Gostou do artigo? Leia também: