Blog da Beecorp

Perda de peso
Saúde

Perda de peso: a verdade sobre as dietas

Dietas, dietas e mais dietas. Qual a melhor para a perda de peso? Escrevi em um capítulo do meu novo livro que as dietas da moda são como os guarda-chuvas chineses. Funcionam, mas por pouco tempo.

Podemos comer de tudo e não tudo sempre. As dietas da moda tratam a obesidade como uma doen­ça aguda: “perca 7 kg em uma semana”. Mas a gran­de verdade é que a obesidade se trata de uma doença crônica.

Pesquisadores de Harvard concluíram, após um grande estudo, que o segredo da dieta é reduzir o número de calorias. E a redução não deve ser drástica.

Os pacientes foram divididos em quatro grupos que consumiam diferentes percentuais de gorduras, proteínas e açucares, porém com quantidade inferior de calorias em todos os gru­pos (em média 225 calorias a menos). No final de dois anos, a perda de peso foi de 4 kg, em média, em todos os grupos.

Observe que 225 calorias a menos na sua dieta é cerca de 10% das calorias diárias de uma pessoa adulta do sexo masculino. Orientações mais atuais já demonizam a contagem de calorias e citam como referencia o Guia Alimentar para a População Brasileira como um modelo interessante.

Principais erros dos obesos

Outra pesquisa desenvolvida pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica re­velou os principais erros dos obesos brasileiros à mesa. Acredito que os erros listados abaixo não são somente dos obesos, mas também dos futuros obesos brasileiros. Veja:

  • Comer em frente à televisão.
  • Comer muito rápido.
  • Exagerar nos finais de semana.
  • Beliscar o dia inteiro.
  • Exagerar nos carboidratos.
  • Exagerar nas frituras.
  • Comer fora.

7 dicas para a perda de peso

Algumas dicas importantes que aprendi na práti­ca diária de apoio à perda de peso são:

  • Confie no seu médico e no seu nutricionis­ta. Deixe de lado as sugestões de parentes e “amigos” e siga as recomendações à risca. Muitos pacientes informam seu ganho de peso nos últimos anos, mas não informam mudan­ças no seu estilo de vida. O ganho de peso é consequência e não causa.
  • Procure esquecer o conceito de sobreme­sa. Ela é dispensável. Caso seja muito difícil, coma em dias alternados.
  • Relaxe antes de se ali­mentar. Não faça suas refeições quando nervoso, cansado ou agitado. Emoção e comida andam juntas, prin­cipalmente emoção ruim com comida ruim.
  • Concentre todos os alimentos da casa na co­zinha. Nada de potes de balas e doces pela casa. Não há necessidade, pelo menos por en­quanto, de cadeado na geladeira.
  • Encare como trabalho e não como lazer a ida ao supermercado. Os alimentos só entram no nosso carrinho se os colocarmos.
  • Esqueça os refrigerantes. Vou repetir, esque­ça os refrigerantes.
  • Procure andar após as refeições.

Atenção aos alimentos

Como escolher o que comer?

Uma informação importante é a carga glicêmica, ou seja, o impacto dos alimentos sobre as taxas de glicemia no sangue. Este é um bom parâmetro para a escolha de alimentos.

Veja na tabela a seguir e lembre-se, quanto mais alta a carga glicêmica, pior. A carga glicê­mica é considerada baixa se menor ou igual a 10, média de 11 a 19 e alta se igual ou maior que 20.Tabela carga glicêmica dos alimentos

Impacto dos alimentos no Brasil

O Brasil é o segundo maior consumidor de carne bovina do mundo, o terceiro em frutas e o quarto em peixe. Comemos carne demais e com bastante frequência. Com nosso imenso litoral, deveríamos consumir muito mais peixe.

Pense sempre em ingerir alguns alimentos con­siderados funcionais, são eles:

  • Alcachofra: bom para o fígado e para a redução do colesterol.
  • Acelga: anti­coagulante, anti-inflamatório, antialérgico e antioxi­dante.
  • Banana verde: qualquer tipo é boa para o sistema digestório.
  • Romã: rica em vitamina C, dimi­nui a pressão arterial e melhora a circulação sanguí­nea.
  • Cogumelo shitake: previne o diabetes, reduz o colesterol alto e a pressão arterial.
  • Pimenta-ma­lagueta: boa para a circulação e tem ação bactericida.
  • Aveia: reduz o colesterol e é riquíssima em fibras.
  • Chá verde: rico em polifenois e flavonoides.
  • Chocolate meio amargo: seus antioxidantes reduzem a pressão arterial e o LDL e aumentam o HDL.
  • Canela: reduz o colesterol e a glicemia.
  • Nozes, avelãs, amêndoas e castanhas: além de fibras, são ricas em gorduras monoinsaturadas e poli-insaturadas (gorduras do bem), vitamina E e selênio.

Sempre que possível, tenha estes alimentos na sua dispensa.

Fique de olho!

Para terminar, algumas dietas são bem interessantes:

  • Dieta do relógio: sem carboidratos após as 17 horas, coma o que puder entre 16 e 19 horas, faça a refeição principal depois das 21 horas, Coma pouco até o meio-dia, coma a cada três horas (esta é válida), etc.
  • Dieta do pensamento: deixar de pensar como gordo e passar a pensar como magro.
  • Dieta da fertilidade: pesquisadores da Universidade de Harvard acompanharam 18 mil mulheres em oito anos e descobriram que 17% tinham dificuldade de engravidar. Este grupo excedia o consumo de carboidratos simples o que possivelmente altera o equilíbrio hormonal e dificulta a concepção. A dieta recomendada deve ser rica em carboidratos complexos e fibras.
  • Dieta do bom humor: o Serviço de Nutrição e Dietética do Hospital Sírio Libanês indica a ingestão de banana (rica em serotonina responsável pela sensação de bem-estar), leite (o cálcio é relaxante muscular e o triptofano aumenta a produção de serotonina), pimenta vermelha (a capsaicina estimula a produção de endorfinas, analgésicos naturais), espinafre (ácido fólico reduz o impacto de situações angustiantes) e o chocolate (aumenta a produção de serotonina). Confesse que você deu uma risadinha ao ler sobre o chocolate.
  • Dieta do abacaxi: sem comentários.

Você sabia que o excesso de peso dos norte-americanos está deixando muita gente rica? A indústria farmacêutica, indústria de roupas (há uma revista de moda especializada nos EUA chamada Figure), indústria de equipamentos especiais para obesos, como cintos de seguranças, camas, macas, etc., vêm faturando alto. Infelizmente eles, no futuro, pagarão mais caro aos convênios médicos.

Mark Twain ironizava os médicos com a frase:

“a única maneira de manter-se saudável é comer o que não quer, beber o que não gosta e fazer coisas que, de outro modo, evitaria”.

Verdade, em termos. Reflita!

Artigo escrito por Eduardo Arantes, Diretor Técnico da BeeCorp.

Gostou do artigo? Leia também: