Blog da Beecorp

Saúde Assistencial x Saúde Ocupacional
Saúde Ocupacional

Saúde assistencial x Saúde ocupacional: quais as diferenças e como integrá-las?

Possivelmente, você já ouviu falar da saúde ocupacional e da saúde assistencial, não é mesmo? Cuidar da saúde dos colaboradores é um grande desafio das empresas e a integração dessas duas áreas pode ser a grande chave para resultados efetivos nesse sentido.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, a maior causa de doenças tem origem no trabalho. É nesse momento que muitos líderes ficam perdidos em como agir e a semelhança entre as duas nomenclaturas acaba gerando dúvidas e confusão até mesmo para os profissionais da área.

Por isso, vamos apresentar as diferenças entre saúde ocupacional e assistencial, o que é obrigatório por lei e o que é opcional, porque essas duas áreas devem ser integradas e algumas dicas de como implementar um programa de saúde em sua empresa. Acompanhe!

O que é saúde assistencial?

A saúde assistencial também pode ser praticada como uma forma de medicina preventiva e tem como objetivo promover saúde em todas as esferas. Isso significa implementar os cuidados necessários para prevenção de doenças, além de promover a saúde e a qualidade de vida das pessoas.

De acordo com a OMS, Organização Mundial de Saúde, um ambiente de trabalho saudável é aquele em que os trabalhadores e os empregadores colaboram no uso de um processo de melhoria contínua para proteger e promover a saúde, segurança e bem-estar de todos e a sustentabilidade do local de trabalho.

Na prática, a empresa investe em ações e recursos para reduzir os riscos ocupacionais, diminuir as faltas e afastamentos de funcionários, aumentar o engajamento e disposição, reduzir custos e potencializar a produtividade.

Confira alguns exemplos de estratégias de saúde assistencial que podem ser implementadas:

Ofereça mais informação para a prevenção a doenças

Campanhas como Outubro Rosa (prevenção do câncer de mama) e Novembro Azul (prevenção do câncer de próstata) são exemplos clássicos de programas de fomento à informação para a prevenção de doenças. Ainda que a causa das doenças não tenha relação direta com as atividades do trabalhador, o diagnóstico tardio pode comprometer seriamente a sua saúde — podendo levar até ao afastamento.

Construa um ambiente de trabalho agradável

De acordo com a Gallup, colaboradores mais felizes aumentam sua capacidade produtiva e engajamento com a empresa. Neste sentido, cuide do ambiente empresarial, não apenas fisicamente, mas principalmente do clima organizacional.

Não deixe de estimular práticas para a integração das equipes — a ginástica laboral é um ótimo pedido, ao proporcionar benefícios que unem questões físicas, mentais e relacionais. Deixar o ambiente mais alegre e criar atividades para promover o lazer também são algumas maneiras de reduzir estresse e provocar sensações de prazer.

Incentive um estilo de vida saudável

Sabemos que a prática de atividade física promove uma série de benefícios para a vida, impactando inclusive dentro da empresa. Ao fazer exercícios físicos, o colaborador alivia as tensões do dia a dia e melhora o humor, além de elevar o sistema imunológico e o condicionamento físico. Algumas práticas, como o grupo de corrida e caminhada ou aulas de danças, ajudam ainda na integração dos colaboradores.

Além de se exercitar, uma boa alimentação é fundamental para a manutenção da saúde e qualidade de vida dos colaboradores. Você sabia que a alimentação interfere inclusive no seu desempenho?

É importante que a empresa estimule melhores hábitos alimentares. Para isso, existem algumas formas, como:

  • ofereça refeições na empresa com um cardápio desenvolvido pelo nutricionista;
  • realize eventos periódicos sobre alimentação saudável e dicas alimentares;
  • promova o acompanhamento nutricional dos colaboradores.

O que é saúde ocupacional?

Já a saúde ocupacional pode ser definida como um conjunto de regras, procedimentos e ferramentas que têm como objetivo reduzir, eliminar e neutralizar os riscos decorrentes das atividades laborais.

É uma prática obrigatória e fiscalizada pelo Ministério do Trabalho, através das Normas Regulamentadoras, também conhecidas como NRs. Sendo assim, as empresas buscam atender as exigências das normas através de ações que garantem melhores condições de trabalho e previnem os riscos de acidentes.

De acordo com a Portaria n.º 06, de 09/03/83, parágrafo 1.1, as Normas Regulamentadoras NR, relativas à segurança e medicina do trabalho, são de observância obrigatória pelas empresas privadas e públicas e pelos órgãos públicos da administração direta e indireta, bem como pelos órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário, que possuam empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho CLT. Ou seja, qualquer empresa que tenha colaboradores em regime CLT, precisa atender as Normas Regulamentadoras de acordo com suas atividades.

Ao todo são 36 Normas Regulamentadoras ativas na legislação brasileira. Dentre os requisitos assegurados estão:

Realização dos exames ocupacionais

Os exames ocupacionais como: exames admissional, demissional e os periódicos asseguram o acesso dos empregados à Medicina do Trabalho e garantem um acompanhamento mais próximo da empresa em relação à saúde dos empregados.

Uso obrigatório de EPIs

Os EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) têm um papel fundamental tanto na prevenção de acidentes quanto de doenças ocupacionais. Segundo a Revista Proteção, a cada 45 segundos um colaborador é vítima de um acidente no trabalho.

Promoção da capacitação

A empresa é responsável por ensinar e fiscalizar se os colaboradores estão usando os equipamentos de proteção de forma contínua e correta. Neste sentido, é importante criar programas de treinamento ainda no processo de integração, mas incluí-los também em outros cronogramas para a reciclagem periódica, de acordo com a necessidade da empresa.

Diagnóstico do ambiente

Todas as ações de saúde ocupacional giram em torno de um diagnóstico, que deve ser feito em toda a empresa. Essa análise tem como objetivo entender melhor os riscos que o colaborador está exposto, para assim, elaborar ações de correção e prevenção que podem ser aplicadas.

Dentre elas, podemos destacar:

O desafio da saúde nas empresas

De acordo com o Ministério da Fazenda, entre o período de 2012 e 2016, foram registrados 3,5 milhões de casos de acidente de trabalho, resultando um custo de R$ 22,171 bilhões para os cofres públicos em gastos da Previdência Social, como aposentadoria por invalidez, como auxílio-doença, pensão por morte e auxílio-acidente.

Apesar de a segurança do trabalho e a saúde ocupacional serem obrigatórias por lei, projetos de valorização da saúde e bem-estar de empregados, podem gerar resultados expressivos para as empresas, não apenas financeiros, mas em diversos âmbitos.

Organizações que desenvolvem estratégias integradas de saúde ocupacional e assistencial notam melhorias, como:

  • Maior disposição e engajamento dos colaboradores para realização das tarefas;
  • Mudanças positivas no clima e cultura da organização;
  • Aumento de produtividade, concentração e foco no trabalho;
  • Redução do presenteísmo e absenteísmo;
  • Impacto nos custos com assistência médica e tributários por afastamento de colaboradores.

Como integrar a saúde ocupacional e assistencial?

Use a capacitação dos profissionais de saúde ocupacional e as informações de dados de segurança da sua empresa ao seu favor. Esse pode ser o primeiro passo para criar um programa de saúde integrado em sua empresa.

Unir a saúde assistencial nas práticas ocupacionais é a melhor forma de garantir o cumprimento da legislação, ao mesmo tempo de aumentar a produtividade, diminuir os custos e ter colaboradores mais engajados. Sendo assim, algumas ações assistenciais precisam acontecer em sinergia com os programas de saúde ocupacional, como por exemplo:

  • Investigue os fatores de risco à saúde e segurança e crie programas de prevenção;
  • Levante os últimos afastamentos, atestados e problemas de saúde dos empregados para criar programas de saúde focados nessas questões.

Como vimos, apesar de serem diferentes, a saúde assistencial e ocupacional estão interligadas. Afinal, ambas buscam cuidar do trabalhador e garantir a prevenção de doenças e acidentes. Por isso, ao trabalhá-las em conjunto você oferece um cuidado completo para sua equipe.

Percebeu a importância de adotar práticas de saúde no ambiente organizacional? Agende agora uma consultoria gratuita e descubra como garantir mais saúde para sua equipe e resultados para o seu negócio.