Fobia social: entenda os sintomas e como ajudar os funcionários

Fobia social: entenda os sintomas e como ajudar os funcionários
O que é fobia social?
Quais são as causas?
Quais são os sintomas?
Como o TAS afeta a vida profissional?
Como ajudar os funcionários com fobia social?
Categoria: Qualidade de Vida

A fobia social é um distúrbio psicológico que, segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais 5 (DSM-5), se caracteriza por um medo e ansiedade desproporcionais diante de situações sociais que prevejam julgamento, ou que impliquem a necessidade de qualquer tipo de performance ou desempenho.

Assim como acontece em outras fobias, o transtorno faz com que a pessoa enxergue a maior parte dos eventos cotidianos de maneira distorcida e aja de acordo com essa percepção, inclusive no ambiente organizacional.

É por isso que é tão importante compreender quais são as nuances e o funcionamento da fobia social para, então, pensar estratégias que possam ajudar no enfrentamento desse adoecimento mental.

Nessa perspectiva, preparamos este artigo para explicar o que é a fobia social, as suas causas e sintomas, e o que fazer para auxiliar os funcionários com essa psicopatologia. Confira os detalhes!

O que é fobia social?

A fobia social está classificada como um transtorno de ansiedade, e é chamada também de Transtorno de Ansiedade Social (TAS). É um dos tipos de adoecimento mental mais prevalentes no mundo e causa várias dificuldades aos indivíduos, no que se relaciona as habilidades e funções sociais, e a capacidade de lidar com julgamentos.

Apesar de ser confundida constantemente com traço de personalidade, como uma timidez excessiva, essa fobia não reflete apenas um ponto a ser desenvolvido ou que é característico da maneira de ser da pessoa.

Pelo contrário, muitas vezes, o indivíduo se esforça para não agir de acordo com a sua visão alterada dos fatos, e não consegue entender o que mobiliza sua reação fóbica.

A diferença entre um transtorno de ansiedade e uma característica pessoal está na intensidade com que os sintomas são vivenciados, no tempo que costumam estar presentes e nas consequências e sofrimento que trazem para a vida do indivíduo.

Por exemplo, uma pessoa introvertida pode não se sentir a vontade para realizar uma apresentação em sua reunião de trabalho, o que, em geral, é uma reação normal para uma situação de exposição.

Já para um indivíduo com TAS, essa hipótese é totalmente aversiva e pode gerar, inclusive, sintomas físicos e comportamentais bastante expressivos. É como se ele estivesse prestes a enfrentar um perigo intransponível, que soa como uma ameaça real à sua integridade.

Quais são as causas?

A incidência do TAS é multifatorial. Ou seja, existe uma série de aspectos que são fatores de risco para o desenvolvimento do distúrbio, como:

  • hereditariedade — o DSM aponta que pessoas com casos de ansiedade social na família, têm uma propensão ao adoecimento;
  • traços genéticos — também não são determinantes, mas podem colaborar para o desenvolvimento do transtorno;
  • estilo de cuidado parental — a maneira como a dinâmica familiar foi vivenciada pode interferir nas habilidades sociais da pessoa;
  • exposição constante a eventos estressores — bullying, situações vexatórias e humilhantes, assédios e síndrome de burnout;
  • traumas e situações inesperadas — situações de catástrofe, abusos, doenças e calamidades, como a crise pandêmica;
  • a presença de outros transtornos — uma pessoa em depressão pode desenvolver ansiedade social e vice-versa, por exemplo.

Esses são alguns dos principais fatores que se relacionam com o desenvolvimento do TAS. No entanto, cada caso é um caso e pode apresentar particularidades.

Por esse motivo, no diagnóstico, uma visão humanizada em saúde é fundamental para compreender não só a doença, mas toda a complexidade do indivíduo, que é biopsicossocial.

Quais são os sintomas?

Por ser um transtorno de ansiedade, os sintomas do TAS são semelhantes aos de outros distúrbios ansiosos. Porém, existem algumas diferenças que distinguem o primeiro dos demais.

A característica principal desse quadro de saúde é o prejuízo em todas as áreas sociais, como na vida particular e familiar, nos relacionamentos afetivos, nas escolas e no ambiente corporativo.

Por mais que a pessoa com ansiedade social realize as atividades cotidianas, desempenhar essas funções exige um esforço muito grande. Em alguns casos mais críticos, o indivíduo começa a ter comprometimentos graves, como não conseguir mais sair de casa ou, mesmo, conviver em família. Veja alguns dos sintomas físicos mais comuns no TAS, em especial diante de eventos aversivos:

  • taquicardia;
  • suor excessivo, principalmente nas mãos;
  • sensação de formigamento em algumas áreas do corpo, como mãos e pés;
  • tremor corporal e na voz intensos e incontroláveis em situações de estresse;
  • dificuldade de projeção da voz;
  • boca seca;
  • alterações gastrointestinais;
  • tontura e escurecimento da vista.

Existem também os sintomas comportamentais, que podem indicar a presença do adoecimento mental:

  • isolamento social frequente;
  • sensação de mal estar súbito, diante da necessidade de exposição;
  • recusa constante a eventos sociais e até mesmo de convivência familiar;
  • medo desproporcional de responder perguntas e ficar em destaque;
  • alteração do estado emocional, principalmente para humor deprimido ou irritadiço;
  • pavor de situações que possam gerar um julgamento;
  • medo excessivo de tropeçar ou derrubar objetos;
  • falta de habilidades sociais para manter conversas, inclusive por telefone;
  • reações impulsivas diante do fator de estresse — por exemplo, sair no meio de uma reunião, após sofrer algum tipo de pressão;
  • medo de demonstrar nervosismo ou sintomas ansiosos;
  • pensamento constante de que algo de ruim vai acontecer;
  • pavor de ser exposto e ficar vulnerável;
  • medo intenso de ser chamado para falar em público, ou expor a opinião;
  • postura corporal rígida e pouco contato visual;
  • utilização de substâncias para se automedicar, como o álcool e outras drogas.

O sintomas não aparecem de forma isolada, e tampouco devem ser considerados como patológicos diante de situações específicas. É normal, por exemplo, sentir os batimentos cardíacos acelerados antes de uma apresentação importante.

Por meio de uma avaliação médica e psicológica, os sinais apresentados serão correlacionados e analisados dentro de um contexto. Além disso, devem estar presentes na vida da pessoa de forma contínua a, pelo menos, seis meses.

Como o TAS afeta a vida profissional?

A área profissional do indivíduo com transtorno de ansiedade social é uma das mais afetadas. Isso porque o ambiente ocupacional já pressupõe uma certa interação social, mesmo que mínima.

Não é raro que os funcionários com essa fobia comecem a apresentar uma baixa no desempenho, se afastem com mais frequência do ambiente laboral e comecem a ter dificuldades de comunicação com os pares.

Além disso, a falta de engajamento nas atividades laborais, o absenteísmo e o presenteísmo começam a impactar diretamente nas funções de trabalho.

Como ajudar os funcionários com fobia social?

Existem algumas estratégias importantes para que uma empresa consiga lidar com essas questões de saúde mental dos seus funcionários. Dentre elas, está a conscientização e a psicoeducação de todos sobre a existência desses transtornos, por meio de palestras, informativos, ações e campanhas preventivas.

O estímulo a hábitos de vida saudáveis e a práticas de cuidado mental, por meio da oferta de serviços de lazer, entretenimento e acompanhamento psicológico também pode fazer a diferença.

É fundamental que o setor de Recursos Humanos acompanhe o desenvolvimento dos funcionários dentro da organização, bem como identifique possíveis situações que possam interferir no bem-estar físico, social e emocional das equipes.

Esse diagnóstico pode ser feito por meio de pesquisas de clima organizacional, ou com o auxílio de consultorias especializadas em gestão integrada da saúde, por exemplo.

Além disso, uma outra medida eficiente é contar com programas de apoio aos funcionários com distúrbios psicológicos, assim como oferecer cuidados de atenção primária à saúde dentro do próprio ambulatório da empresa. A equipe de atendimento pode ser composta por médicos generalistas, enfermeiros e, até mesmo, psicólogos.

A fobia social gera um impacto e sofrimento muito grande para as pessoas que a desenvolvem, e impede que esses indivíduos vivam plenamente, gozando de saúde física e mental e com qualidade de vida.

O papel do Recursos Humanos no enfrentamento do TAS é crucial, já que uma empresa com funcionários adoecidos perde em produtividade. Além do mais, ao cuidar de seus colaboradores, a organização tem a oportunidade de valorizar aquilo que é mais importante para a sua existência: as pessoas.

E se você quer saber como fazer uma gestão estratégica de recursos humanos em sua empresa, não deixe de conferir o nosso artigo sobre o tema!

BLOG DA BEECORP
Você também pode se interessar
Qualidade de Vida
Sentimentos e emoções: entenda tudo sobre esses conceitos

Sentimentos e emoções: entenda tudo sobre esses conceitos Por: Christine Ornelas

Os sentimentos são a percepção que cada pessoa tem sobre as suas próprias emoções. É algo mais subjetivo, porém, percebido de maneira consciente. Basicamente, é o sentido que cada...
Qualidade de Vida
Terapia: entenda a importância e qual a mais indicada para você

Terapia: entenda a importância e qual a mais indicada para você Por: Paola Sobral

A busca pelo equilíbrio emocional e mental é uma jornada fundamental na vida das pessoas. Nesse caminho, a terapia (online ou presencial) emerge como uma ferramenta valiosa. Afinal, ela...
Qualidade de Vida
Paralisia do sono: entenda o que é e como evitar

Paralisia do sono: entenda o que é e como evitar Por: Felipe Alvares

Causada, principalmente, por traumas, estresse e outros transtornos psiquiátricos, a paralisia do sono pode ser evitada. Uma das maneiras é manter a saúde mental em dia. Esse distúrbio consiste...
Qualidade de Vida
Endorfina: tudo sobre esse hormônio e como aumentar

Endorfina: tudo sobre esse hormônio e como aumentar Por: Luíza Terra

Embora a sensação de bem-estar envolva nossas emoções, ela está relacionada a eventos químicos que acontecem em nosso organismo. Para que uma pessoa se sinta bem, seu cérebro precisa...
Qualidade de Vida
Narcisismo: entenda tudo sobre o Transtorno de Personalidade Narcisista

Narcisismo: entenda tudo sobre o Transtorno de Personalidade Narcisista Por: Paola Sobral

O narcisismo é um transtorno de personalidade que leva o indivíduo a ter um comportamento arrogante, insensível e manipulador. O narcisista acredita ser especial e superior, com direitos especiais....
Qualidade de Vida
Auriculoterapia: você sabe o que é e para que serve?

Auriculoterapia: você sabe o que é e para que serve? Por: Luíza Terra

A partir de Auriculoterapia é possível tratar diversos problemas que afetam a saúde do ser humano, a partir de um mapa de pontos no pavilhão auricular. Nesse sentido, a...
Qualidade de Vida
LGBTQIAPN+: o que significa cada letra e o contexto por trás da sigla

LGBTQIAPN+: o que significa cada letra e o contexto por trás da sigla Por: Felipe Alvares

A sigla LGBTQIAPN+ representa diferentes identidades de gênero e orientações sexuais. Por ser mais abrangente, ela acolhe uma quantidade maior de pessoas. Também substitui as siglas GLS e LGB,...
Qualidade de Vida
Resiliência: entenda o conceito e como ser mais resiliente

Resiliência: entenda o conceito e como ser mais resiliente Por: Paola Sobral

O significado de resiliência vem da física, que significa a capacidade de um material voltar ao seu estado original após sofrer alguma deformação. No campo da Psicologia, se refere...
Qualidade de Vida
Fonoaudiologia: entenda tudo sobre essa profissão

Fonoaudiologia: entenda tudo sobre essa profissão Por: Anderson Rodrigues

O fonoaudiólogo é o profissional da área de saúde graduado em fonoaudiologia. Ele auxilia pessoas de todas as idades no desenvolvimento ou no restabelecimento de funções e habilidades relacionadas...
SOLUÇÕES EM DESTAQUE
Qualidade de vida, Saúde e Ergonomia
Preparado para transformar pessoas e negócios?
O investimento em saúde, segurança e qualidade de vida impacta diretamente nos resultados da sua organização.
Fale com nossos especialistas
x

Solicite uma proposta







    Assine nossa newsletter

      Autor
      Luíza Terra

      Coordenadora de Marketing BeeCorp | Relações Públicas e Especialista em Marketing Digital

      Deixe um comentário

      O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

      Fale com consultor!

      Fale com um consultor

        Cadastrar currículo